Voltemos ao Evangelho!

IGREJA DE CRISTO: UMA ESCOLA CONFRONTADORA

Por Marco Elias


Será que os nossos pregadores estão preparados para ensinar o que se faz necessário para a igreja do nosso tempo?

No tempo de Cristo os apóstolos e discípulos não estudaram, mas fizeram um curso de três anos, com o maior mestre que já pisou neste planeta. Entre idas e vindas, a igreja primitiva passou para a glória eterna e o povo que se levantou posteriormente detendo o nome de cristianismo, não possuía a mesma intrepidez e dinamismo do primeiro grupo, mas os chamados pais primitivos conseguiram retransmitir o legado dos apóstolos usando os talentos e ferramentas que tinham à disposição. As coisas mudaram e bem mais tarde veio a reforma protestante e as escrituras sagradas reconquistaram o seu lugar no topo da hierarquia cristã.

Depois da reforma protestante as escolas surgiram dentro das igrejas. Se no catolicismo das colônias latino-americanas o aprendizado tinha como meta apenas a catequização dos povos nativos, nas colônias de povoamento o assunto era outro, a igreja virou escola, a bíblia era o livro utilizado para alfabetização, o objetivo não era catequizar, era formar cidadãos para a construção de uma nação forte e para o reino vindouro.

Na Europa o fenômeno da igreja mestra, arrancou um país inteiro da miséria: A Inglaterra. Os irmãos John Wesley e Carlos Wesley deixaram de lado os princípios da teologia determinista (aquela que prega que alguns homens nasceram predestinados à miséria) e começaram a pregar bíblia pura. Surgia assim as raízes do metodismo e toda a Inglaterra seria evangelizada por um homem andando a cavalo. Deus arrancou a Inglaterra da miséria no tempo de John Wesley. O proletariado pobre e analfabeto foi introduzido no mundo da cultura judaico-cristã da Bíblia Sagrada, a letra inspirada moldou o caráter dos homens, enquanto aquilo que alguns chamam de catecismo tornou-se escola de alfabetização para conhecimento do reino, enquanto elevava a família inglesa comum à categoria de melhor família civilizada da Europa. A sociedade tomou conhecimento da causa abolicionista defendida no bojo da igreja, que deveria ser imitadora de Cristo, o grande libertador de todos os homens que aceitam a sua carta de alforria. A outra vertente teológica era escravocrata e possuía escravos até mesmo a serviço da igreja. A Europa estava vendo os céus abertos e os brados libertadores de um povo destemido que marchava ao som da mensagem da cruz. A igreja libertadora e quebradora de grilhões escravocratas venceu.

Pode-se dizer que em todas as fases do cristianismo acima descritas, o nível de aculturamento produzido pela igreja foi maior do que aquele produzido pelo mundo descrente e decadente em pecados. Hoje vivemos uma situação completamente oposta. Temos uma cristandade totalmente analfabeta em bíblia (obviamente existem boas e raras exceções), mas que continua saindo ao mundo como ovelhas que caminham ao encontro dos lobos. Hoje no mundo ocidental a sociedade descrente tem influenciado o cristianismo e este tem deixado de influenciar o mundo com a genuína mensagem da cruz.

RESPOSTA CRISTÃ NA MEDIDA CERTA

O que se faz necessário para corrigir isto? Cada cristão deve estudar a palavra, apegar-se à ela, amá-la, vive-la. Não estou dizendo que os servos de Deus devam ir para uma faculdade de teologia, até porque aquilo que tem sido ensinado em algumas delas constitui um terrível veneno com rótulo falsificado de remédio. A igreja precisa reclamar o seu papel de mestra, mas para isto alguns paradigmas meramente humanos precisam cair por terra em obediência ao mandamento bíblico:

“Antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós” - 1 Pedro 3:15.

MARCADORES

aborto Abraão Ágape Agostinho águas Albânia Além da Letra alforria Amor Antigo testamento apocalipse apologética Àsia Ásia Central Auschwitz Auxílio ao Obreiro avião batatas batismo com Espírito Santo BBC bebida alcoólica Ben Gurion Bençãos besta Biblicamente bois brecha CALVINISMO Calvino cananeus carta cerveja cessacionismo clamor colheita comportamento Conhecimento conversão convite Crente Nominal cristãos cristianismo Daniel Santos David Botelho Deus Conosco devocional diálogo dizimo Dons Espirituais Doutrina ebd Elias ensino escravatura Esmirna ética cristã EUA evangelho evangelismo exegese expressões idiomáticas fariseus Festa da dedicação ficção filmes filosofia fim Flip Benham fonte fortalecimento Gálatas graça grupo de estudos Habacuc história história eclesiástica igreja igreja brasileira Igreja Fiel interpretação Isaías Israel Jerusalém Josenilson Félix Jourdon Anderson Julgamento Kelem Gaspar leitura leões liberalismo teológico livramento livre-arbítrio Luciano Subirá Lutero maçã madrugada Marcelo Lyrio Marco Elias Melquisedeque milagre ministério feminino missionários missões missões transculturais mitos Moisés mulheres muro Natal nazismo Nietzsche noiva Noruega novo testamento Obreiro Aprovado Oração Oriente Médio ovelha Palavra palavra revelada palha pão parlamento pastor paz Pecado peixe pentecostais Pentecostalismo perseguição perseguições pobre Pródigo Profecia profecias Promessas questionamentos Quinta medida razão humana Reforma Protestante refugiados religião remédio repreensão retórica revelação rico sabedoria sacrifício de Jesus salmos Salvação Samoa Samuel Santos sangue de Jesus santidade satélite Servas ICM sinais do fim Sinédrio Sofia Müller soldado soteriologia Templo Teologia terrorismo terroristas Tony Sousa trigo Vale verdade vida vida cristã vídeos vinha vinho whatsapp