Voltemos ao Evangelho!

JESUS E A OFERTA DE MOISÉS




Uma conexão entre o Antigo e o Novo Testamento

“E Jesus, estendendo a mão, tocou-o dizendo: Quero; sê limpo. E logo ficou purificado da lepra. Disse-lhe então Jesus: Olha, não o digas a alguém, mas vai, mostra-te ao sacerdote, e apresenta a oferta que Moisés determinou, para lhes servir de testemunha” (Mateus 8: 3 e 4).

Oferta de Moisés:

“Depois tomará para expiar a casa duas aves, e pau de cedro, e carmesim e hissopo; E degolará uma ave num vaso de barro sobre águas vivas; Então tomará pau de cedro, e o hissopo, e o carmesim, e a ave viva, e os molhará na ave degolada e nas águas vivas, e espargirá a casa sete vezes; Assim expiará aquela casa com o sangue da avezinha, e com as águas vivas, e com a avezinha viva, e com o pau de cedro, e com o hissopo, e com o carmesim. Então soltará a ave viva para fora da cidade sobre a face do campo; assim fará expiação pela casa, e será limpa”.

(Levítico 14: 49 a 53)

Em regra, quando se examina o milagre do Senhor Jesus no texto acima, os olhos se voltam para o milagre em si, a cura do corpo físico. É naturalmente o que se consegue visualizar. Todavia, aquele homem no qual o milagre se instalou, vislumbrou a essência da mensagem, cujo teor espiritual não estava visível na compreensão humana natural; situava-se muito além do olhar superficial. E aqui o convite que se faz está ligado a um mergulho exegético espiritual, numa reconstrução do elo entre o Antigo e o Novo Testamento; uma conexidade espiritual.

Quando o Senhor Jesus curou aquele leproso no texto comentado, mandou ao curado que cumprisse a determinação transmitida por Moisés no caso de purificação da lepra, ritual descrito em Levítico 14, tal como delineado acima. Com a finalidade de compreender a mensagem que o Mestre queria (e quer) transmitir – porque não se restringia a uma mera cura física, mas se situava no plano da salvação da alma – numa leitura contemporânea, necessário entender a sequência progressiva simbólica da oferta do culto levítico. Afinal, não raro ao curar alguém, o Senhor afirmara: “a tua fé te salvou”, de forma que a preocupação maior não era a cura física sem utilidade espiritual; era a salvação.

Duas aves iguais eram tomadas com três elementos sacrificiais: pau de cedro, carmesim e hissopo. O cedro (uma espécie de árvore) era símbolo da longevidade (leia-se: “eternidade”), uma tipologia de Deus-Pai, Jeová, o Deus Eterno. O carmesim, uma tinta de cor vermelha muito viva, apreciada pelos israelitas que a obtinham dum inseto. Aponta para o sacrifício de Jesus e o vermelho com o derramar de Seu Sangue no Calvário em prol do ser humano. Portanto, diz respeito ao Deus-Filho, que Se fez pequeno (na figura do “inseto” – vide Isaías 53). O hissopo era uma planta aromática utilizada para a purificação, o que nos leva a pensar no Deus-Espírito Santo que convence o homem de seu estado, levando-o à purificação.

Sob esse viés, uma das aves era degolada, dentro de um vaso de barro sobre águas e a outra era conservada viva. Ato seguinte, a ave viva era colocada no interior do vaso ensanguentado com o sangue da ave morta e os três elementos acima descritos. Na sequência, a ave viva era solta em campo aberto e alçava o seu vôo com a marca da ave morta. Assim é que, uma das aves era sacrificada para que a outra pudesse alçar o seu voo em liberdade. Decerto, a ave viva nada fazia a não ser mergulhar no sangue da primeira ave e voar. Assim, a marca do sangue da outra ave era vista, “para lhe servir de testemunho”.

À sombra dessa ideia, podemos contemplar o Pacto sacrificial do Senhor Jesus (a “ave” que se fez morta), que se identifica com a Igreja (as aves eram iguais), veio ao mundo como homem, fazendo-Se “barro” (“dentro do vaso de barro”), tomou sobre Si as nossas enfermidades, para que tivéssemos vida e “voássemos em campo aberto”. Com efeito, o Sacrifício Perfeito estava no Projeto envolvendo a Trindade de Deus (os três elementos envolvidos na purificação), numa linha interpretativa cristocêntrica (“Cristo no centro”).

Aquele cenário veterotestamentário finaliza com a ave viva alçando o seu voo fora da cidade, em campo aberto, porque a Igreja do Senhor Jesus não se compraz com o andar no chão (um coração que não se compromete com o mundanismo). Afinal, ela não tem compromisso com o tumulto da “cidade”; ela voa para o alto, em direção à eternidade de Deus. Aqueles que não se envolvem com o sacrifício permanecem “lá em baixo”; não alçam o seu vôo, conforme ditames das Escrituras.

Tens tu o desejo de participar desse voo rumo à eternidade do Senhor? Entre no “vaso de barro”, banhe-se nas “águas purificadoras”, em entrega plena, receba o toque maravilhoso do Senhor Jesus e arvore o seu voo para a liberdade, em direção aos braços do Pai, na comunhão secreta. Mas, na dicção do Senhor, “não digas a alguém”.


Deus abençoe.

Enviado por Daniel Santos via watsapp.

MARCADORES

aborto Abraão Ágape Agostinho águas Albânia Além da Letra alforria Amor Antigo testamento apocalipse apologética Àsia Ásia Central Auschwitz Auxílio ao Obreiro avião batatas batismo com Espírito Santo BBC bebida alcoólica Ben Gurion Bençãos besta Biblicamente bois brecha CALVINISMO Calvino cananeus carta cerveja cessacionismo clamor colheita comportamento Conhecimento conversão convite Crente Nominal cristãos cristianismo Daniel Santos David Botelho Deus Conosco devocional diálogo dizimo Dons Espirituais Doutrina ebd Elias ensino escravatura Esmirna ética cristã EUA evangelho evangelismo exegese expressões idiomáticas fariseus Festa da dedicação ficção filmes filosofia fim Flip Benham fonte fortalecimento Gálatas graça grupo de estudos Habacuc história história eclesiástica igreja igreja brasileira Igreja Fiel interpretação Isaías Israel Jerusalém Josenilson Félix Jourdon Anderson Julgamento Kelem Gaspar leitura leões liberalismo teológico livramento livre-arbítrio Luciano Subirá Lutero maçã madrugada Marcelo Lyrio Marco Elias Melquisedeque milagre ministério feminino missionários missões missões transculturais mitos Moisés mulheres muro Natal nazismo Nietzsche noiva Noruega novo testamento Obreiro Aprovado Oração Oriente Médio ovelha Palavra palavra revelada palha pão parlamento pastor paz Pecado peixe pentecostais Pentecostalismo perseguição perseguições pobre Pródigo Profecia profecias Promessas questionamentos Quinta medida razão humana Reforma Protestante refugiados religião remédio repreensão retórica revelação rico sabedoria sacrifício de Jesus salmos Salvação Samoa Samuel Santos sangue de Jesus santidade satélite Servas ICM sinais do fim Sinédrio Sofia Müller soldado soteriologia Templo Teologia terrorismo terroristas Tony Sousa trigo Vale verdade vida vida cristã vídeos vinha vinho whatsapp